Planejamento

19/09/2017

Encerra na próxima semana prazo para interessados em estudos na gestão do Hospital da Polícia Militar

Encerra em 28 de setembro o prazo para pedir autorização para realizar estudos de viabilidade de Parceria Público-Privada (PPP) na gestão do Hospital da Polícia Militar.

A finalidade da PPP é desonerar, administrativamente, a Polícia Militar de uma atividade meio, alheia à segurança pública, bem como realocar o efetivo de policiais militares e bombeiros militares não pertencentes ao quadro de saúde para as atividades de segurança pública.

Os estudos de viabilidade devem considerar como escopo da PPP inclusive os serviços assistenciais. Pretende-se que o hospital seja uma unidade de referência em urgências, emergências e saúde mental, voltado para o atendimento dos policiais militares e seus familiares apenas (com recursos próprios da corporação), da população em geral (com recursos do SUS) ou de ambos.

O Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), com a finalidade de obter estudos para a gestão do Hospital da Polícia Militar, foi lançado em 1º de setembro pelo estado do Paraná, através da Secretaria de Segurança Pública.

O hospital, fundado em 31 de janeiro de 1958, é unidade especializada da Diretoria de Saúde da Polícia Militar do Paraná e órgão da administração direta do Estado.

Desde o início de suas atividades, o equipamento conta com a atuação profissional de militares estaduais e servidores públicos civis para o atendimento ao público de militares da ativa, militares inativos, seus dependentes e pensionistas. Entretanto, o hospital passa por desafios de gestão, pela queda dos repasses financeiros de órgãos estaduais, fora da Polícia Militar, que também contratavam serviços junto ao equipamento.

Prazo -
Interessados em pedir autorização para realizar os estudos de viabilidade devem fazê-lo até o dia 28 de setembro. O valor teto do eventual ressarcimento é de R$ 690 mil. Os estudos devem ser realizados em 90 dias.

Serviço -
Para mais informações, clique aqui
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.